loader image

Clube Empreendedor

Para SOBREVIVEREM as EMPRESAS têm que RESPIRAREM CLIENTES

CICLO de CONSUMO

Parando para pensar no ciclo do consumo: Sem clientes não existem negócios. Sem negócios não existem empresas e sem empresas a economia entra em colapso, pois as empresas ficam sem oxigênio. Então a conclusão que tiramos como solução para sobrevivência das empresas é que elas precisam respirar clientes que são o seu oxigênio. O que quer dizer que o foco das empresas devem ser os seus clientes. Não estamos falando nada de novo, mas que novo ?

Estamos em um tempo de transição para a NOVA NORMALIDADE, assim devemos pensar e repensar. Quem são os nossos novos clientes?Onde eles estão?Quais serão seus novos hábitos de compra?Quais devem ser as estratégias das empresas para fisgarem estes novos clientes? 

A REALIDADE AGORA É OUTRA…

Nesses três meses de confinamento social, o ser humano de uma forma geral mudou seus hábitos de forma radical. Um exemplo de mudança clara de paradigmas, é a terceira idade que por ter mais tempo disponível, sempre fez suas compras olhando, pegando, apertando, cheirando e escolhendo cada item do seu consumo de alimentação caseira nas visitas presenciais e constantes a feiras, supermercados e hortifrutis. Agora neste tempo do COVID-19 as compras continuam a serem feitas, só que agora, esta mesma terceira idade consulta vitrines digitais e decidem o seu consumo através de cliques nos seus celulares. Isto é um caso de situação que antes da pandemia, ninguém iria supor que acontecesse. A mudança de comportamento destes consumidores agora torna-se um fato corriqueiro, constante e usual.

Olhando pelo lado empresarial, o modelo de negócios das feiras, supermercados e hortifrutis tiveram também que mudar e se adaptar para atender estes novos clientes e a nova forma deles comprarem e escolherem seus produtos alimentícios online. Dentre as várias opções, a pergunta normal é: qual o estabelecimento que este novo cliente vai escolher? As empresas neste momento para serem escolhidas tiveram que investir fortemente em tecnologia, treinamento dos entregadores e treinamento de atendimento aos clientes, assim como investimento em maior educação e atenção ao consumidor. Outro ponto principal para a escolha do fornecedor é a preocupação constante com a higiene e atenção aos equipamentos e a indumentária utilizadas no ato da entrega, assim como uma maior gerência da qualidade e agilidade nos produtos encomendados. Eles têm que chegar igual ou melhor que no atendimento presencial anterior, quando recebidos agora nas residências dos clientes finais. 

O DIGITAL será PRESENÇA INEVITÁVEL para TODO MUNDO

O confinamento social doméstico apresentou diversas faces do mundo digital a milhões de pessoas do mundo inteiro. Constata-se segundo pesquisa que 72% dos brasileiros tiveram sua primeira experiência com plataformas de vídeos para se relacionarem ou se aculturarem, 48% recorreram a chamadas com vídeos para conversar pessoalmente ou profissionalmente com seus destinatários e 42% de estudantes da graduação ou pós graduação usaram plataformas de ensino à distância para auto estudo. As compras digitais naturalmente também cresceram: 40% do público comprador passou a usar mais o comércio eletrônico, mesmo tendo os usuários a serem obrigados a cortarem seus gastos.

A aceleração do marketing digital será obrigatória para atender a esse novo consumidor. Aprimorar a experiência do usuário, captar mais dados para melhor entender o consumidor e aproveitar estes dados para a prospecção e fidelização de clientes, será uma exigência do mercado. Estar também atento a novas oportunidades de negócios será mandatório. As lojas físicas terão de ser repensadas pós pandemia.

REPENSAR na NECESSIDADE de COMPRAR o NOVO

Hoje o Brasil conta com 13 milhões de desempregados, segundo o IBGE. Muitos brasileiros perderam receitas e poder de compra com a pandemia, seja por corte de salários, demissão ou falta de perspectivas futuras financeiras. A insegurança deixará marcas terríveis nos hábitos do consumidor. A tendência será o consumidor se perguntar várias vezes se precisa ou não daquele produto. Mesmo quando precisar comprar o novo, não se incomodará de adquirir algo de segunda mão, desde que as condições de uso ainda e assim o permitam. Comprar alguma coisa nova será alvo de muitas análises, por isto acredito que o setor de serviços será alavancado, uma vez que se ainda tem conserto, chama o técnico e se faz a manutenção, uma vez que comprar o novo não será a primeira prioridade.

As empresas devem ficar muito atentas nos novos padrões indicados pelos pontos de venda, na análise e comentários dos clientes. A área de comunicação das empresas deve auxiliar o comercial e o marketing para deixar muito claro que aquele produto ou serviço vale o quanto custa e o seu preço está justo e enxuto.

A CONCORRÊNCIA será cada vez mais PRESENTE

Os brasileiros têm experimentado o novo nas compras durante a pandemia: 30% estão frequentando novas lojas virtuais e novas formas de atendimento; de 40 a 50%, comprando novas marcas, uma vez que os empresários antigos não inovaram e acham “que time que estava ganhando não se mexe”. Explorar e reforçar as conexões afetivas, humanização no atendimento, ter produtos disponíveis e em estoque nas prateleiras para pronta entrega, utilizar-se de canais das redes sociais com muita audiência que inspirem confiabilidade e as empresas mostrarem autoridade e experiência naquilo que estão se propondo a oferecerem, serão fundamentais para as marcas laçarem esses novos clientes. Quem conseguir fazer com que o cliente experimente o seu novo, sairá na frente e certamente conquistará consumidores leais e com retenção, por isto deve-se ter muita atenção ao que os concorrentes estão fazendo e as novidades que estão implantando e lançando.

A CIDADE e os LOCAIS de TRABALHO NÃO SERÃO MAIS OS MESMOS

O coronavírus obrigou a todos a passarem mais tempo em casa do que na rua, nos shoppings e nos locais de trabalho, mesmo porque sair de casa durante a pandemia estava teoricamente proibido. Mesmo quando a pandemia passar, o lar doce lar deve ser um espaço de permanência maior do que antes, seja para manter hábitos de consumo e compra, seja para trabalhar, seja para continuar a fazer conexões adquiridas durante o confinamento, pois tudo ficou digital. Pós pandemia as dificuldades econômicas não permitirão muito consumo fora de casa muito em função da perda do poder aquisitivo. Para atender a esta vertente de novos hábitos da nova normalidade, a arquitetura, o layout das casas e as preocupações com o LER (lesões por esforço repetitivo) passarão a incorporar e compartilhar domesticamente os espaços de trabalho com os espaços de convivência familiar, bem como a internet terá de suportar o acréscimo das horas de home office e de streaming de vídeo tendo que ser mais veloz e com mais segurança. Os computadores pessoais terão que ser mais poderosos, mais rápidos e conterem mais storage (armazenamento). À medida que as pessoas se tornam mais experientes na tecnologia digital, os sistemas de hardware e software devem se tornar mais inteligentes e a nuvem tem que processar de forma mais rápida.  Explorar e ajudar profissionalmente o “eu sozinho” e o “vai lá e faz” com suporte de empresas de serviços online e/ou presenciais serão bons nichos de negócios com boas oportunidades para atingir os novos consumidores. A COVID-19 deixou as ruas das cidades vazias. Ok, estão começando a ser reocupadas antes do adequado e conveniente, mas devendo os protocolos de retomada serem seguidos. Mesmo assim, haverão sequelas muito fortes deixadas no comportamento do consumidor durante a pandemia. Para muitos, trabalhar em casa se tornará o expediente definitivo. Por um longo tempo haverá preocupação com a transmissão do vírus – e isso pode levar muita gente a morar em cidades menores, mais baratas e com mais qualidade de vida.
Mas com a tecnologia, para prospecção e atingimento aos clientes que se mudaram dos grandes centros, as distâncias geográficas deixam de ser preocupação. Somente o modelo de distribuição é que terá que ser repensado. Para as marcas e as empresas, a tarefa é direcionar esforços de marketing, com muito estudo e com muita observação para este novo comportamento do novo consumidor com a nova normalidade.

A conclusão é que o mais importante será a identificação e armazenamento dos dados destes novos clientes, onde o banco de dados será talvez o maior e melhor ativo de qualquer empresa e de qualquer que seja o seu modelo e ramo de negócios.

Minhas palavras finais são sempre repetitivas.

Assim temos que contar na nova normalidade com a nossa criatividade e por em prática a inovação, que será uma responsabilidade coletiva da organização.

Tudo isto em prol do LUCRO e com a esperança de tempos melhores.

Rumo ao COVID zero!…..nova normalidade…..#novanormal…..

SUCE$$$UUU SEMPR$E !!!

Sérgio Rocha Lima – Consultor, mentor e professor

www.rochalimaconsultoria.com.br

Compartilhar:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin

Buscar

Mais matérias

Esse é o titulo

aklsdjal djlka dlaj dliwudo aisdoaiwud oaius dlawiud oaisu doiawu odai asodpa osdoaispidpaodsoiapsodipaosid asldiua owiudoa isudoa iwudo aiusdo iauwo diaus odiauw oiduao siud oawiud oaiud owiu

EU VOU, MAS CONTINUO TRABALHANDO

Minha passagem pela agência de fomento e minha confiança na sinergia entre o público, privado e o ecossistema empreendedor. Fiquei a frente da assessoria especial

Cadastre-se e receba novidades

Acompanhe nas redes

Abrir chat
1
Precisa de ajuda?
Olá empreendedor! Como podemos te ajudar?