fbpx

Hoje tive um papo muito interessante com amigos de adolescência. Falamos de estratégias econômicas e competitivas do setor esportivo mais voltado para o Futebol!

Exato. E tudo começou por causa do Flamengo. Óbvio.

Antes de entrar na questão rubro negra, você sabia que esse mercado que tem um potencial GIGANTE está perdendo adeptos cada vez mais?

Em pesquisa feita pelo DataFolha 41% das pessoas disseram não ter interesse por futebol, em 2010 eram 31%. Pela copa do mundo então, saiu de 18% de desinteressados pra 42% esse ano. Ou seja, mais que dobrou.

Quais serão os fatores pra esse desinteresse todo. Será a corrupção na CBF e de cartolas dos times do Brasil? Será a saída de jogadores bons do Brasil para o exterior? Ou será que os problemas políticos e financeiros que temos hoje no Brasil fez com que o interesse diminuísse?

Penso que pode ser também uma tempestade perfeita, e que todos esses fatores juntos jogaram os interessados lá pra baixo.

Interessante também da pesquisa é que mostra que o setor mais baixo da economia perde o interesse em maior escala. Pobres tem gostado cada vez menos do futebol e os ricos têm continuado com o interesse, talvez isso mostre o fator da crise econômica sobressaindo na provável causa.

Mas voltando ao assunto Flamengo.

Será que essa alavancagem do time do Flamengo alavancará também os times cariocas e brasileiros para se manterem no “jogo”? Será que esse foguete que o Flamengo está vai fazer o nivelamento ser feito por cima no futebol? Ou será que viraremos uma Alemanha, que em relação a Clubes, só tem um que sobressai.

O que poderia ser feito para que o efeito Alemanha não acontecesse no Brasil? Será uma das saídas o Time Empresa?

Muitos falam na distribuição do valor repassado pelas emissoras aos clubes, que teria que ser igual. Mas isso seria justo? Dividir igualmente um valor que é repassado aos clubes por causa da audiência e esse valor ser o mesmo para um time que tem uma torcida gigante para um que tem uma torcida pequena?

Se sim, um desses meus amigos disse que seria um “campeonato Soviético”! Realmente, economicamente e mercadologicamente não faria nenhum sentido, já para a sobrevivência de um campeonato esportivo sim.

Exemplo bom é o da NBA, que tem alternância enorme de campeões, tem times que ganham alguns anos seguidos, mas sempre acaba surgindo novos times levando a taça. Lá tem limite de salário e o draft, que faz muita diferença. Os piores times ganham as primeiras opções do draft universitário. Só assim pra o Cleveland, por exemplo, ter conseguido o LeBron e ser campeão.

Seria uma alternativa para o futebol brasileiro. Mas daria certo? Ou nosso jeitinho atrapalharia as regras?

O fato é que o futebol europeu não tem nada disso e tem muito mais adeptos do mundo inteiro que a NBA.

Ou seja, saber qual será o resultado desse levante rubro negro para o futebol brasileiro ninguém sabe ao certo, mas que estamos perdendo hoje um mercado que tem potencial de girar muito dinheiro e gerar muito emprego, ah, isso estamos!

Rafael Ponzi

Publicitário, CEO da RPMR Marketing e Eventos. Apaixonado por políticas sociais e entusiasta do empreendedorismo, está disposto a fazer a diferença no cenário carioca com seus projetos.

%d blogueiros gostam disto: